quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Pra você que não me vê, que me lê, que não me ouve...

Não sei como começar esse texto, que é mais um daqueles que escrevo com o coração destruído, com a alma dolorida de tanto levar surra, e com os olhos pesados de tantas noites chorando por alguém que já não faz mais conta de mim. Olha só o que nos tornamos, logo a gente que fazia tantos planos juntos, que jurava amar um ao outro apesar de toda essa distância, logo a gente, cara, que sonhava construir um lar com um jardinzinho e a nossa casa teria uma cerquinha branca, igual àqueles dos filmes, lembra? 
Mas veja, a gente se perdeu no meio do caminho, mas logo você se encontrou em outra pessoa, e eu... Coitada de mim, cara, eu continuo lá atrás, jogada em um canto, esperando que a vida me engula junto com essas malditas recordações.
Ai, meu deus, nunca imaginei que a minha vida giraria em torno de uma pessoa que já saiu da minha, mas continua em meu coração, na minha mente... 
Olha só que bizarro, acabei de ler uma frase que dizia mais ou menos assim: "Estou chorando pela perda de algo que nunca tive. Que ridículo. Chorando por algo que nunca existiu.
Te mando mensagens, mas não sei o que conversar, você pergunta se eu queria falar alguma coisa, e eu toda idiota, digo que não, mas sabe, na verdade eu queria te pedir que voltasse pra minha vida, pra concluirmos os nossos planos, a nossa vida, mas não, eu digo não não não não não não não, sete vezes pra ver se eu aprendo a esquecer quem já me esqueceu faz tempo.
Esse é mais um daqueles textos idiotas, mais um texto pra você que não me vê, que me lê, que não me ouve...