quarta-feira, 16 de maio de 2012

Planos.

A vida, a vida, ora a vida, seguindo em frente, insensível aos planejadores, aos sonhos e pensamentos alheios, fazia seus planos, traçava o seu caminho, impunha a sua ordem. 
A vida, brincando e sorrindo, sapeca e traquinas, apreciava a execução do seu plano. Um sabor de castelo de areia em noite de tempestade.
Alheia, a vida e punha e dispunha, senhora absoluta da história das pessoas. Uma senhora com um breve sorriso de malícia, como se quisesse dizer "quem faz os planos sou eu..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado e volte sempre!