domingo, 25 de março de 2012

Meu medo

E temi tanto em te contar isso que acabei te perdendo...
Sou uma pessoa insegura, indecisa, sem rumo na vida, sem leme para me guiar: na verdade não sei o que fazer comigo. Sou uma pessoa muito medrosa. Tenho problemas gravíssimos que talvez um dia os conte aqui. E outros problemas, esses de personalidade. Você me quer mesmo assim?
Se quer, não me diga que não lhe avisei. Não tenho qualidades, só tenho fragilidades. Mas às vezes tenho esperança. A passagem da vida para a morte me assusta: é igual como passar do ódio que tem um objetivo e é limitado, para o amor que é ilimitado. Quando eu morrer (modo de dizer) espero que você esteja perto. Você me pareceu uma pessoa de enorme sensibilidade, mas forte.
Você foi o meu melhor presente, mesmo não sendo meu aniversário. Apesar de, sem você saber...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado e volte sempre!