quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Para ler ouvindo Outra Vez - Roberto Carlos

22:25 P.M. e nada do sono vim. Uma necessidade toma conta de mim, mas não sei exatamente do que se trata... Talvez de um abraço, um beijo, é engraçado mas não sei.
Eu choro facilmente com os filmes de romancezinhos baratos, ao qual no final tudo acaba em plena felicidade, e choro mais ainda porque a minha vida não é igual.
Apago a luz do quarto, vou para a cama, ouço músicas tristes, dessa vez, é Roberto Carlos quem me dá o seu recado e tem um trecho que é tão lindo: "Você foi, o maior dos meus casos, de todos os abraços o que eu nunca esqueci..." leio as sms que trocávamos me sinto na obrigação de apagá-las e assim o faço. Apelo pros carneirinhos e nada, nada mesmo, só o vazio. Vazio de ser incompleta e não há quem dê jeito nisso.
Acendo a luz, corro pra cozinha invento fome, volto pro quarto, mas NADA da porra desse sono se manifestar. Vou escrevendo palavras soltas, desconexas, liberto-as do que tanto as aprisiona, talvez do que me destrói. Ultimamente ando perdendo tudo e com tanta freqüência... Perder palavras não me doeria tanto quanto perder alguém, alguém que eu realmente amo.
Sinto uma enorme vontade de sair, pegar um ar, porque sinceramente, há dias venho me sentindo assim: SUFOCADA. Estou confusa com tanta coisa que descrever seria hipocrisia da minha parte, então prefiro que o tempo resolva e cure tudo, o que a vida tratou de dilacerar, e cutucar, e...