segunda-feira, 12 de setembro de 2011

...

Eu preciso apanhar chuva no rosto, sorrir para os homens que me interessam, aceitar os sucos para os quais me convidam. Tenho que beijar minha mama, dizer que eu a amo, chorar no seu colo - sem vergonha de mostrar meus sentimentos, porque eles existiram, e eu os escondi. Talvez eu entre na igrejam e olhe todas aquelas imagens que nunca me disseram nada, e elas terminem me dizendo alguma coisa. Se um homem interessante me convidar para uma boate, eu vou aceitar, e vou dançar a noite inteira, até ficar exausta. Depois irei para a cama com ele - mas não da maneira como fui com outros, ora tentano manter o controle, ora fingindo coisas que não sentia. Quero me entregar a um homem, à cidade, à vida e finalmente, à morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado e volte sempre!